Lebbos e Lava Jato, que colocaram vida de Lula em risco, perderam de 10 a 1 no STF

Política

247 – A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que derrubou a transferência do ex-presidente Lula para o presídio de Tremembé, no interior de São Paulo, foi praticamente unânime. Apenas o ministro Marco Aurélio Mello votou contra, mas foi favorável no mérito, apenas considerou que a competência do julgamento seria do TRF-4, instância inferior.

Por maioria, os ministros da Suprema Corte e até a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defenderam que Lula não fosse transferido para um presídio comum, como decidiu a juíza Carolina Lebbos, atendendo ao pedido da Polícia Federal, que é subordinada ao ex-juiz e agora ministro Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública). 

Dodge se manifestou a favor de Lula continuar na superintendência da PF na capital paranaense ou em uma cela especial, de sala de estado maior, em São Paulo, ou seja, considerou que a transferência assim como foi decidida pela juíza Lebbos representaria um risco para a sua vida.

Relator da Lava Jato no STF, o ministro Edson Fachin, se posicionou favorável a uma parte do recurso apresentado pela defesa do ex-presidente que trata sobre a suspensão da decisão da juíza do Paraná.

Fachin rejeitou apenas a parte do pedido da defesa que solicitava que o ex-presidente fosse colocado em liberdade até que fosse concluída a análise do habeas corpus. O voto do relator da Lava Jato foi acompanhado por outros nove magistrados.